Botafogo: (21)2537-4761 - Centro: (21)2509-1010 - Barra: (21)2487-6393

Vertigem - O que devemos saber?

Ao contrário do que se pensa, nosso equilíbrio não é mantido apenas por um orgão, mas por uma complexa interação de diversas partes do sistema nervoso:

1 - os labirintos, situados na parte interna dos ouvidos, informam sobre o movimento do corpo em relação ao espaço;

2 - os olhos monitorizam a posição do corpo;

3 - os receptores sensíveis da pele informam qual parte do corpo está para baixo;

4 - os receptores sensíveis dos músculos e articulações informam qual parte do corpo está se movendo;

5 - finalmente, o sistema nervoso central é o "computador" que processa todas essas informações, coordenando o senso de equilíbrio.

Os distúrbios do equilíbrio aparecem quando o sistema nervoso central recebe mensagens conflitantes dos outros quatro sistemas. Isso pode acontecer, por exemplo, se você está lendo no banco traseiro de um carro. O movimento do carro é percebido pelos labirintos (sistema 1) e sensores da pele (sistema 3), mas seus olhos (sistema 2) estão fixos na leitura. O resultado é que você pode ficar tonto, "enjoado".

Portanto, tonteira não é sinônimo de "labirintite". O labirinto é apenas um dos orgãos envolvidos na manutenção do equilíbrio.

A labirintite caracteriza-se por vertigens rotatórias, muitas vezes associadas a sintomas de estimulação do nervo vago (taquicardia, suores frios, náuseas, vômitos, etc...). Isso significa que pelo menos um dos labirintos não está funcionando bem. A causa pode ser uma doença do próprio labirinto ou, o que é mais comum, um fator externo que agride ao labirinto.

As "agressões externas" alteram a microcirculação sanguínea dos ouvidos internos, provocando a descompensação. A tensão emocional e o "stress" são os grandes vilões dessa patologia, acometendo inclusive os jovens.

Os problemas da coluna cervical também são grande causadores de vertigem. O pinçamento dos grande vasos que passam dentro da coluna por problemas de postura, por artrites (inflamações) ou artroses (calcificações) prejudicam o fluxo de sangue para os orgãos sensoriais e o sistema nervoso central.

Problemas circulatórios formam o terceiro grande grupo de fatores externos causadores de vertigem: pressão alta, diabetes, arteriosclerose e anemia são alguns desses agentes. Excesso de sal, dietas mal balanceadas e estimulantes como a cafeína e a nicotina são outros agressores.

Ainda como fatores externos estão os traumatismos de crâneo e as infecções. Otites e mastoidites podem atacar o ouvido interno e suas conexões nervosas com o cérebro. Até um simples vírus da gripe é capaz de fazer o "mundo girar".

Como vimos, o estudo do "desequilíbrio" é complexo. A medicina dispõe hoje de exames complementares sofisticados para investigar as diversas causas de vertigem. A vectonistagmografia computadorizada, a audio/timpanometria, a ressonância magnética, a avaliação radiológica da coluna cervical e o "check-up" clínico-metabólico-hormonal são alguns desses exames. Mas acima de tudo está a experiência e o bom senso do especialista para analisar cada caso. Cabe ao paciente ser persistente ao cumprir as determinações de seu médico-assistente.